MEC decide antecipar o fim do vestibular

JC e-mail 3736, de 06 de Abril de 2009

Ministério já tem adesão de 35 das 55 universidades federais ao novo Enem, que deverá substituir o exame
Demétrio Weber escreve para “O Globo”:

O ministro da Educação, Fernando Haddad, deve anunciar hoje, em reunião com reitores das universidades federais, que o novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) será aplicado já neste ano, independentemente do número de instituições dispostas a substituir o vestibular pelo teste.

Ontem, o ministro contabilizava a adesão de pelo menos 35 das 55 universidades federais à proposta de que o novo Enem passe a selecionar candidatos em todo o país.

Com o novo Enem, o Ministério da Educação (MEC) deseja que qualquer estudante brasileiro faça a prova e, de acordo com sua nota, tenha direito a uma vaga em universidades federais de todos os estados.

Hoje, em geral, os vestibulares selecionam candidatos a uma única instituição. O novo modelo é inspirado no SAT (Scholastic Assessment Test), teste realizado nos Estados Unidos.

A exemplo do que ocorre no vestibular, o sistema valerá para quem concluiu o ensino médio em anos anteriores. Mas, como as universidades têm autonomia para decidir as regras para seleção de calouros, o MEC não pode impor o novo modelo, dependendo assim da adesão das instituições.

Reitores divergem sobre ritmo de implantação do sistema

Disposto a convencer reitores, Haddad vai hoje à sede da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), em Brasília. O evento termina amanhã e reunirá os 59 dirigentes de universidades e institutos federais de educação tecnológica vinculados à Andifes.

Em tese favoráveis à substituição do vestibular, reitores já divergem sobre o ritmo de implantação do novo sistema. De um lado, o reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Aloisio Teixeira, disse ao GLOBO que espera ver o sistema em vigor na UFRJ já este ano. De outro, o reitor da Universidade Federal de Uberlândia, Alfredo Júlio Fernandes Neto, defende uma transição de três anos.

O reitor da Universidade de Brasília (UnB), José Geraldo de Sousa Júnior, lembra que os reitores não darão a palavra final. Isso porque esse tipo de decisão cabe aos conselhos internos, com representantes de diferentes departamentos, estudantes e funcionários.

— Como é um sistema de adesão, podemos aderir imediatamente ou na sequência, dependendo de como o modelo se desenvolva. Não sei se haverá pré-testes ou um piloto — diz José Geraldo.

Hoje, o Enem seleciona os bolsistas do programa Universidade para Todos (ProUni), em instituições privadas. O teste conta pontos também nos vestibulares de centenas de instituições públicas e particulares.

Como o Globo mostrou ontem, um balanço preliminar da Andifes indica que pelo menos 13 universidades federais adotam o Enem como critério parcial de seleção. No Rio, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UniRio) utiliza exclusivamente o Enem para selecionar metade dos calouros a cada ano.

Em seu novo formato, o Enem terá 200 questões e uma redação. Hoje são apenas 63, mais a redação. As perguntas ganharão relação direta com os conteúdos do ensino médio. Atualmente, o Enem dá menos atenção aos conteúdos, privilegiando a capacidade de raciocínio.

O MEC planeja aplicar o teste em outubro e não em agosto, como ocorria até o ano passado. O exame será realizado num sábado e domingo e não mais num único dia.

Estão previstas quatro provas, com 50 questões cada: uma de linguagens, sobre língua portuguesa e língua estrangeira; uma de matemática; uma de ciências naturais, com ênfase em química, física e biologia; e outra de ciências humanas, com ênfase em história, geografia, podendo conter perguntas de filosofia e sociologia.

O Globo

Sobre Juliane Correia

Juliane Correia é licenciada e mestranda em Educação Física pela FEF/Unicamp e professora da rede estadual de educação do Estado de São Paulo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *